Latest Entries »

2014

E 2013 dá um passo para trás, abrindo espaço para o novato e inexperiente 2014. Chega pomposo, passos largos, uma mente cheia de ideias e um coração de esperanças. Carrega com si um fardo gigantesco, o de ser melhor que seus antepassados. Não bastasse isso, também quer ser O ano, daqueles que fincam uma estaca no seu peito e dizem: você nunca se esquecerá de mim. Ele vem carregado de amor, alegrias e oportunidades. Mas para isso, ele depende de você. Mude-se, organize-se, seja lá o que você tenha que fazer, simplesmente faça. Seja alguém melhor, isso muda tudo. Não permita que 2014 seja só um dígito diferente em seu calendário, e você certamente será recompensado.

Anúncios

Protegido:

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Protegido: Me desculpem.

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Protegido: Porra, as pessoas erram!

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

2012 foi um ano de aprendizados e testes.

Dos meus aprendizados, descobrir meus limites foi o mais importante deles.

Dos meus testes, ultrapassar algumas linhas morais foram os piores deles.

2012 foi um ano de mudanças. Um ano inesperado, incalculado, inexplicável.

O que me sobra agora são as lições que tirei dos erros e acertos, e uma vontade tremenda de reler meus votos passados e torná-los reais para o próximo ano.

Renovando, que 2013 seja um ano de crescimento. Que nós atravessemos a rua para cumprimentar os amigos. Que conquistemos nosso espaço. Que sejamos homens de caráter grande, que comecemos a admirar o melhor em vez do mais vistoso. Que tenhamos paciência. Que consigamos descansar de verdade. Que ganhemos mais, por que não, que gastemos mais também, mas que sejamos mais felizes, mais completos, com mais valores. Que 2013 seja um ano de mais esperança, de mais amor, de mais carinho. Que eu possa fazer feliz quem eu realmente amo, e que eu possa olhar nos olhos dela e chamá-la de “minha Amanda”.

Que 2013 seja um ano de aprendizados ímpares, pares, primos. Que a terra suba menos nos meus caminhos, e não me atrapalhe tanto a notar o horizonte.

Que 2013 seja indescritivelmente 2013, e nada mais.

Bernardo Mendes

Storm

Inner North London, top floor flat
All white walls, white carpet, white cat,
Rice Paper partitions
Modern art and ambition
The host’s a physician,
Lovely bloke, has his own practice
His girlfriend’s an actress
An old mate from home
And they’re always great fun.
So to dinner we’ve come.

The 5th guest is an unknown,
The hosts have just thrown
Us together for a favour
because this girl’s just arrived from Australia
And has moved to North London
And she’s the sister of someone
Or has some connection.

As we make introductions
I’m struck by her beauty
She’s irrefutably fair
With dark eyes and dark hair
But as she sits
I admit I’m a little bit wary
because I notice the tip of the wing of a fairy
Tattooed on that popular area
Just above the derrière
And when she says “I’m Sagittarien”
I confess a pigeonhole starts to form
And is immediately filled with pigeon
When she says her name is Storm.

Chatter is initially bright and light hearted
But it’s not long before Storm gets started:
“You can’t know anything,
Knowledge is merely opinion”
She opines, over her Cabernet Sauvignon
Vis a vis
Some unhippily
Empirical comment by me

“Not a good start” I think
We’re only on pre-dinner drinks
And across the room, my wife
Widens her eyes
Silently begs me, Be Nice
A matrimonial warning
Not worth ignoring
So I resist the urge to ask Storm
Whether knowledge is so loose-weave
Of a morning
When deciding whether to leave
Her apartment by the front door
Or a window on the second floor.

The food is delicious and Storm,
Whilst avoiding all meat
Happily sits and eats
While the good doctor, slightly pissedly
Holds court on some anachronistic aspect of medical history
When Storm suddenly she insists
“But the human body is a mystery!
Science just falls in a hole
When it tries to explain the the nature of the soul.”

My hostess throws me a glance
She, like my wife, knows there’s a chance
That I’ll be off on one of my rants
But my lips are sealed.
I just want to enjoy my meal
And although Storm is starting to get my goat
I have no intention of rocking the boat,
Although it’s becoming a bit of a wrestle
Because – like her meteorological namesake –
Storm has no such concerns for our vessel:

“Pharmaceutical companies are the enemy
They promote drug dependency
At the cost of the natural remedies
That are all our bodies need
They are immoral and driven by greed.
Why take drugs
When herbs can solve it?
Why use chemicals
When homeopathic solvents
Can resolve it?
It’s time we all return-to-live
With natural medical alternatives.”

And try as hard as I like,
A small crack appears
In my diplomacy-dike.
“By definition”, I begin
“Alternative Medicine”, I continue
“Has either not been proved to work,
Or been proved not to work.
You know what they call “alternative medicine”
That’s been proved to work?
Medicine.”

“So you don’t believe
In ANY Natural remedies?”

“On the contrary actually:
Before we came to tea,
I took a natural remedy
Derived from the bark of a willow tree
A painkiller that’s virtually side-effect free
It’s got a weird name,
Darling, what was it again?
Masprin?
Basprin?
Asprin!
Which I paid about a buck for
Down at my local drugstore.

The debate briefly abates
As our hosts collects plates
but as they return with desserts
Storm pertly asserts,

“Shakespeare said it first:
There are more things in heaven and earth
Than exist in your philosophy…
Science is just how we’re trained to look at reality,
It can’t explain love or spirituality.
How does science explain psychics?
Auras; the afterlife; the power of prayer?”

I’m becoming aware
That I’m staring,
I’m like a rabbit suddenly trapped
In the blinding headlights of vacuous crap.
Maybe it’s the Hamlet she just misquothed
Or the eighth glass of wine I just quaffed
But my diplomacy dike groans
And the arsehole held back by its stones
Can be held back no more:

“Look , Storm, I don’t mean to bore you
But there’s no such thing as an aura!
Reading Auras is like reading minds
Or star-signs or tea-leaves or meridian lines
These people aren’t plying a skill,
They are either lying or mentally ill.
Same goes for those who claim to hear God’s demands
And Spiritual healers who think they have magic hands.

By the way,
Why is it OK
For people to pretend they can talk to the dead?
Is it not totally fucked in the head
Lying to some crying woman whose child has died
And telling her you’re in touch with the other side?
That’s just fundamentally sick
Do we need to clarify that there’s no such thing as a psychic?

What, are we fucking 2?
Do we actually think that Horton Heard a Who?
Do we still think that Santa brings us gifts?
That Michael Jackson hasn’t had facelifts?
Are we still so stunned by circus tricks
That we think that the dead would
Wanna talk to pricks
Like John Edwards?

Storm to her credit despite my derision
Keeps firing off clichés with startling precision
Like a sniper using bollocks for ammunition

“You’re so sure of your position
But you’re just closed-minded
I think you’ll find
Your faith in Science and Tests
Is just as blind
As the faith of any fundamentalist”

“Hm that’s a good point, let me think for a bit
Oh wait, my mistake, it’s absolute bullshit.
Science adjusts it’s beliefs based on what’s observed
Faith is the denial of observation so that Belief can be preserved.
If you show me
That, say, homeopathy works,
Then I will change my mind
I’ll spin on a fucking dime
I’ll be embarrassed as hell,
But I will run through the streets yelling
It’s a miracle! Take physics and bin it!
Water has memory!
And while it’s memory of a long lost drop of onion juice is Infinite
It somehow forgets all the poo it’s had in it!

You show me that it works and how it works
And when I’ve recovered from the shock
I will take a compass and carve Fancy That on the side of my cock.”

Everyones just staring at me now,
But I’m pretty pissed and I’ve dug this far down,
So I figure, in for penny, in for a pound:

“Life is full of mystery, yeah
But there are answers out there
And they won’t be found
By people sitting around
Looking serious
And saying isn’t life mysterious?
Let’s sit here and hope
Let’s call up the fucking Pope
Let’s go watch Oprah
Interview Deepak Chopra

If you’re going to watch tele, you should watch Scooby Doo.
That show was so cool
because every time there’s a church with a ghoul
Or a ghost in a school
They looked beneath the mask and what was inside?
The fucking janitor or the dude who runs the waterslide.
Throughout history
Every mystery
Ever solved has turned out to be
Not Magic.

Does the idea that there might be truth
Frighten you?
Does the idea that one afternoon
On Wiki-fucking-pedia might enlighten you
Frighten you?
Does the notion that there may not be a supernatural
So blow your hippy noodle
That you would rather just stand in the fog
Of your inability to Google?

Isn’t this enough?

Just this world?

Just this beautiful, complex
Wonderfully unfathomable, NATURAL world?
How does it so fail to hold our attention
That we have to diminish it with the invention
Of cheap, man-made Myths and Monsters?
If you’re so into Shakespeare
Lend me your ear:
“To gild refined gold, to paint the lily,
To throw perfume on the violet… is just fucking silly”
Or something like that.
Or what about Satchmo?!
I see trees of Green,
Red roses too,
And fine, if you wish to
Glorify Krishna and Vishnu
In a post-colonial, condescending
Bottled-up and labeled kind of way
Then whatever, that’s ok.
But here’s what gives me a hard-on:
I am a tiny, insignificant, ignorant lump of carbon.
I have one life, and it is short
And unimportant…
But thanks to recent scientific advances
I get to live twice as long
As my great great great great uncleses and auntses.
Twice as long to live this life of mine
Twice as long to love this wife of mine
Twice as many years of friends and wine
Of sharing curries and getting shitty
With good-looking hippies
With fairies on their spines
And butterflies on their titties.

And if perchance I have offended
Think but this and all is mended:
We’d as well be 10 minutes back in time,
For all the chance you’ll change your mind.

Tim Minchin

Este sou eu. Sento em minha poltrona, daquelas de papai. Desde jovem sonhava em ter minha casa, meus objetos, meus carros, minha poltrona de papai. Cabelos grisalhos, marcas da idade. Óculos fundos, marcas da genética. Está de manhã, acabei de tomar café. Pego o jornal, abro, pego o caderno de cultura (sempre começo lendo por ele), leio. Enquanto bebo meu café, meus olhos flutuam sobre as páginas, analisando as imagens e tentando absorver alguma matéria que valha a pena a leitura, enquanto penso no meu passado.

De frente para mim, está ela, Amanda. Linda, como sempre foi. Cabelos brancos, chanelzinho. A muito tempo atrás, seus cabelos eram longos, escuros. Mas seu jeito não mudou, nem sua pele, nem seu sorriso. Só o cabelo mesmo. Ela acabou de recolher a mesa do café e assiste um pouco do noticiário da manhã.

É sábado, aos sábados sempre temos almoço em família. Geralmente em restaurantes, ninguém tem o dom da culinária na nossa família. O pouco que sei, foi de um tempo em que morava sozinho fora do país. Enquanto morava em São Paulo, nunca cozinhei na minha república, com pouquíssimas exceções. Amanda sempre gostou de cozinhar, criava pratos com o que tinha na geladeira, mas sempre foi um pouco chata com comida. A gente acostuma com estas manias com o tempo. Rever os filhos, os netos, dar a benção para eles (sou ateu, mas como meu pai sempre me ensinou que isto era questão de respeito, ensinei meus filhos a pedirem aos seus avós; pelo mesmo motivo, meus netos hoje me pedem a benção também).

O restaurante desta vez é um italiano. O preferido da Amanda. Família italiana, de ambas as partes, dá nisso. Eu sempre gostei da cozinha mineira, mas ela nunca foi minha preferida. Gosto de peixe, mas este hábito perdi com o tempo, já que Amanda não suporta nem o cheiro. Como já disse, acostumamos com estas coisas com o tempo.

A comida está boa. As conversas fluem. Ficar sabendo das conquistas das pessoas que nós amamos nos dão uma força para continuar a vida. Força esta que numa época da minha vida, quando mais jovem, cheio de problemas, hormônios e nenhum dinheiro, faltou.

Mas o tempo me ensinou a lidar com isto, não foi fácil, pra ser sincero, não foi nada fácil mesmo, mas passou. Foi uma época transformadora, de mudanças bruscas, mas foi compensador. Só notei isto quando me aposentei, me lembro até hoje daquele meu primeiro dia como um inapto trabalhista.

O dia estava chuvoso, frio. Tão quanto meus sentimentos. Acordar aquele dia e pensar que dali para frente eu seria um aposentado me deixava assim. Sempre fui energético, bagunceiro, rápido, multifuncional. Daquela manhã para frente, eu seria um velho, aposentado, viajaria com a Amanda para praias e usaria roupas florais.

Bem, era assim que eu pensava. Mas a realidade é bem diferente do que planejamos. Pena que só percebi isto olhando para o passado, e num momento, talvez, tardio.

Mas hoje é sábado. A comida estava maravilhosa. Minhas filhas e netas são as mais lindas do mundo! Meu filho é inteligente, empreendedor, começou um start up logo cedo, no início da universidade, e daí pro sucesso foi um pulo. E lindo, claro, puxou o pai.

Para ser sincero, nunca quis outro homem na família. Aquela ideia de ser o único homem no meio das mulheres da casa, ter que lidar com as infantilidades, as bonecas espalhadas pelo quarto, as horas esperando elas provarem roupas no shopping, sempre me agradou. Bom, o dia em que conheci o primeiro “namoradinho”, não foi como o esperado. Não tenho porte de arma, infelizmente. Mas com cara fechada o recebi na sala, tentei demonstrar simpatia, mas era muito ciúme para esconder. Claro que não foi o primeiro que sentou no sofá que colocou o primeiro anel em uma delas.

Ainda bem.

Bom, estamos a caminho de casa. Neste momento, todos já se despediram. Continuar a ler meu jornal, fazer a Amanda rir um pouco com alguma gracinha, pegar um cineminha a noite, estes são todos os planos que minha aposentaria e minha coluna permitem. Este segundo item é o que manteve nossa relação por tanto tempo. E este deveria ser o segredo que os livros de auto-ajuda sobre relacionamentos deveria ensinar. Eu nunca li um livro deste tipo, mas acho muito pouco provável que você abra um livro e tenha logo na primeira página “O segredo é ser feliz e fazer a outra pessoa feliz. Para isto, seja engraçado, leve, brique, mesmo que a idade não permita.”. Eu deveria escrever um livro sobre isto. Talvez um dia, hoje não.

Meu jornal aberto, Amanda está pintando. Depois de velho ganhamos novos hábitos. Eu me apaixonei por coleções, Amanda por pintura. E ela tem o dom. Em nossa juventude ela gostava de decoração, me lembro até hoje dela me prometer que me ajudaria a arrumar meu quarto para deixá-lo “habitável”. Nunca aconteceu. Ela também nunca parou de reclamar sobre ele, e sempre usou ele como desculpa para proteger meu filho de meus xingamentos sobre o quarto dele, que sempre estava uma zona. Sempre a mesma frase – “Você reclama dele, parece que se esqueceu de como você vivia na Oitoigualadê”. – Sempre previsível nestas horas.

Sobre a oitoigualadê, sobraram lembranças. Amizades, festas, fotos, vídeos, gargalhadas. Histórias que não devem ser contadas, a não ser pra Amanda, que sabe de todas, ou quase todas elas.

[continua…]

Bifurcações

Ter alguém para caminhar mudou o jeito com que eu encarava os caminhos. Eram mais belos, mais coloridos, os detalhes eram mais chamativos. As pedras, recorrentes em estradas de terra, misteriosamente inexistiam naqueles instantes. As bifurcações apareceram, como já se esperava, mas nossas mãos continuavam dadas, pés intactos garantiam os passos firmes.

Mas num tropeço, as mãos foram soltas. E desde então nossos olhos poucas vezes se encontravam olhando para o mesmo ponto, nossos passos não eram tão firmes e as pedras reapareceram. O colorido ficou preto e branco, o céu sempre limpo se nublou, as plantas e animais, sempre presentes, desapareceram. O caminho ficou pesado, maçante, mas algo dentro de mim me dava força suficiente para aguentar os calos, os machucados e a ausência da mão dela na minha. Mas seu olhar, aquele mesmo que me conquistou ao primeiro passo que demos juntos ainda na vila, foi perdido.

Quando uma bifurcação foi vista no horizonte, um sorriso, de lado de boca, vi em seu rosto. E nesta hora percebi que os olhares não mais se cruzavam porque enquanto eu procurava a felicidade em volta, ela procurava a próxima bifurcação. Talvez como desculpa de não mais caminhar ao meu lado, eu não sou uma boa companhia pra caminhadas, admito. Talvez fosse por não mais conseguir andar sobre tantas pedras e pedregulhos. Não cabe a mim julgar o motivo, nem tampouco justificá-lo. Quando os olhos não mais olhavam para a mesma direção, a bifurcação nos separou.

Cabe a mim caminhar em busca do entendimento do que se passou. Voltar ao meu ponto de tropeço e procurar pela pedra culpada foi uma alternativa que pensei, mas que não farei. A causa do tropeço foi a pedra, mas não a culpa. A culpa foi dos meus olhos, que por tanto olhar para frente, observar tudo o que havia ao redor, procurar pelas belezas no caminho e admirar a riqueza do olhar que me acompanhava, havia esquecido das pedras que faziam parte do chão que me apoiava. E por ignorá-las, esqueceu que elas faziam parte do caminho, de mim, da caminhada.

Por um momento paro. Sento debaixo de uma árvore, deito, respiro, e admiro as nuvens entre as aberturas dentre as folhas.

Levanto-me, e retomo o caminho. Desta vez andando mais devagar, observando melhor onde piso, tentando perceber o que havia ignorado, e olhando para baixo daquela serra, com a esperança de revê-la, somente para admirar mais uma vez seu olhar, mesmo que de longe.

Porque importante não é a velocidade com que se anda, mas sim os caminhos em que se pisa.

Bernardo Mendes

Love’sPower

O amor é capaz de transformar pedra em diamante, dar passos a quem mal andava, dar forças ao mais fraco dos homens, dar esperança aos desesperançosos, dar aconchego ao mais duro chão, dar calor mesmo no dia mais frio, dar alegria ao mais triste, dar fé ao mais descrente, dar um rumo ao perdido, dar luz ao cego, dar palavras ao mudo, dar expressão ao sentimento, dar sentimento ao vazio, guiar ao objetivo, dar paixão ao ódio, perdoar o imperdoável, acreditar mesmo quando tudo leva a desacreditar, dizer o que não pode ser dito, expor o que nunca foi exposto, engrandecer o mais simples gesto, dar razão à loucura e porque não também dar loucura à razão, corrigir os erros, amparar os desamparados, aproximar o distante, prolongar o mais curto tempo, eternizar o mais ligeiro momento, criar lembranças inesquecíveis.

O AMor é movimento, ANsiedade, proximiDAde, força, fé, paixão, sofrimento, paz. É se preocupar, é passar raiva, é roer as unhas, é desesperar, é se chatear, mesmo sabendo que nada disso tem sentido. É ter medo mesmo tendo certeza. É ter pressa mesmo com tempo. É se aproximar mesmo estando longe. É se unir mesmo quando desunidos. É ser dois, três, quatro, cinco, infinitas pessoas em uma só. E ainda sobrar espaço para que ele cresça mais a cada dia.

O amor é amor, inexplicável, inabalável, incansável.

Amar é crescer. Amar é ter. Amar é ser.

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo: